Peixe Mandarim

peixe-mandarim

  • Nome científico: Synchiropus splendidus
  • Nome comum: Peixe Mandarim, Mandarim Goby, Peixe Dragão
  • Tamanho do aquário: 200 litros
  • Temperamento: Calmo
  • Temperatura: 24ºC a 27ºC
  • pH: Entre 8,1 e 8,4
  • Dieta: Carnívora
  • Comprimento: Até 8 centímetros

Descrição

O peixe Mandarim (Synchiropus splendidus) é adequado para o aquário marinho. Trata-se de uma espécie da família Callionimidae. Este peixe tropical é muito atraente devido a sua morfologia e sua coloração, da qual toma seu nome: peixe mandarim, por sua semelhança com as túnicas dos oficiais imperiais chineses. Também é curioso que lhe faltem escalas.

Para os entusiastas do mergulho, observar o acasalamento desta espécie é um espetáculo e tanto, embora seja necessário estar preparado para mergulhar ao anoitecer. São pacíficos e adequados para um aquário marinho comunitário, no qual não deveria haver outros machos de sua espécie, pois são muito territoriais.

Morfologia

São peixes pequenos, com um corpo cilíndrico, sem escamas, não medindo mais de 8 centímetros. Sua pele é coberta com uma película de gordura tóxica e de cheiro fétido, que pode ser usada para repelir possíveis predadores.

Em sua cabeça larga e deprimida, há uma pequena boca protratil, na qual podem ser encontradas várias fileiras de dentes muito finos. Também impressionantes e distintos são seus olhos salientes, e sua nadadeira dorsal dividida em duas.

É um peixe que se move ao longo do fundo do mar, como evidenciado por suas nadadeiras ventrais, adaptadas para facilitar sua movimentação ao longo do substrato. Talvez a característica mais marcante, e a razão pela qual é um peixe tão procurado, seja sua coloração, com a pele sobre um fundo verde, com listras em diferentes cores: laranja, azul, vermelho e até amarelado.

Dimorfismo sexual

O dimorfismo sexual é muito evidente. Os machos têm uma barbatana dorsal maior do que as fêmeas, o primeiro raio é duas vezes mais longo nos machos do que nas fêmeas. Os machos também são muito mais coloridos do que as fêmeas.

Distribuição e habitat

O peixe mandarim é nativo do Oceano Pacífico, nas Ilhas Filipinas, Malásia, Indonésia e também na Austrália. Normalmente vive em recifes de coral, sempre perto do fundo do mar, onde encontra seu alimento.

Condições do aquário

Eles precisam de um aquário marinho bem estabelecido e maduro, com um tamanho mínimo de 200 litros. Eles devem dispor de espaço onde possam se refugiar, pois são peixes bastante tímidos.

Parâmetros da água

Eles não toleram água com alto teor de nitrogênio. As condições da água para mantê-las em condições ótimas são:

  • Temperatura: entre 24ºC e 27ºC
  • pH: entre 8,1 e 8,4
  • GH: 5º a 10
  • Densidade: 1.025

Dieta

O maior desafio para manter os peixes mandarim no aquário é a alimentação e a aclimatação desta vida no aquário. Eles são peixes predadores na natureza. No aquário, eles não aceitam facilmente alimentos mortos, e isso é um desafio, especialmente para os iniciantes.

Podemos alimentá-los com artemia viva, que temos de criar nós mesmos. Não é difícil, desde que tenhamos os preparativos necessários. Gradualmente podemos acostumar-nos também a comer alimentos congelados. Em cativeiro, também mostra uma predileção pelas algas filamentosas verdes.

Comportamento e compatibilidade

Eles são peixes calmos, que podem ignorar completamente outras espécies. Entretanto, eles são muito territoriais e não permitirão outro espécime masculino no mesmo aquário, embora permitam uma ou mais fêmeas sem qualquer problema.

Reprodução

Fazer com que o peixe mandarim ponha ovos em cativeiro não é muito complicado, o que é realmente difícil é fazer com que os alevins ecludam. A rotina do namoro começa quando o sol está prestes a se pôr. Para ter sucesso no aquário, deve haver de três a cinco fêmeas para um macho.

Após um longo desfile circular, uma das fêmeas aceitará o macho. O par se alinha, de barriga para barriga e sobe em direção à superfície. Em um ponto limite, a fêmea libera seus óvulos e o macho libera seu esperma. Os ovos fertilizados estão à mercê da correnteza.
A partir de então, os ovos levam entre 18 e 24 horas para eclodir. Durante suas duas primeiras semanas de vida, eles se alimentam de plâncton.